Pequeno, mas vencedor

Na Europa do pós-guerra era necessário para a sobrevivência da indústria automobilística e o lançamento de carros urbanos em menos de quatro metros. Ágeis no transito, com capacidade  para transportar no mínimo quatro passageiros e com preço acessível para maior parte da população.

Na Itália eram mestres antes e depois da guerra. E foi assim que nasceu o Fiat 600 (em italiano Seicento) lançado no Salão de Genebra ma Suíça em 1955.

Era um carro urbano arrefecido a água, com motor traseiro, fabricado e comercializado pela Fiat de 1955 a 1969. Tinha carroceria com dois volumes, monobloco em chapas de aço estampado e também uma minivan muito interessante chamada de Multipla de quatro portas. Foram vendidos mais de 150.000 até 1965 principalmente para taxistas e frotistas.

Este interessante veículo foi fabricado com motores 633 e depois 727 cm³ com potência de 20 a 25 cavalos. Tinha 3,53 metros de comprimento e peso de 750 quilos e velocidade máxima de 105 km/h. Podia carregar de quatro a cinco pessoas e alguma bagagem. Na versão com potência maior sua velocidade máxima era de 110 km/h. A versão Multipla tinha quatro portas, sendo a dianteira com abertura suicida, era um mini furgão familiar com linhas bem particulares e inéditas.

A linha 600 tinha bancos com encostos mais finos para propiciar mais conforto para seus passageiros. Mas não era muito confortável, chegando ser justo para quatro passageiros.

Por dentro era muito simples com o painel de instrumentos em posição central contendo só o necessário. Na frente bancos separados e alavanca de marchas no assoalho.

Medindo apenas 3,22 metros de comprimento, 1,38 de largura e altura de 1,40. Seu design totalmente novo e foi o primeiro Fiat com carroceria monobloco e com motor traseiro. O número total produzido de 1955 a 1969 na fábrica de Mirafiori em Turim foi 2.695.197.Havia também a versão Fiat 600 Trasformabile que disponibilizava um teto solar de lona de tamanho generoso. As portas suicidas eram um destaque interessante em todos os modelos.

O modelo de base 600 tinha cilindrada de 633 cm³ e 20 cavalos de potência 4.800 rpm. Tinha tração traseira e caixa de quatro velocidades sendo que a primeira não era sincronizada. Seu peso era de 600 quilos, usava pneus 5,20 x 12 e sua velocidade máxima era de 100 km/h. Seus freios eram a tambor nas quatro rodas com assistência hidráulica. Sua suspensão era independente com braços triangulares e molas helicoidais. Atrás e na frente tinha amortecedores telescópicos.. Seus concorrentes na Europa eram o Austin A30, o Renault 4CV, o Citroën 2CV e o Volkswagen Besouro.

Durante as décadas de 1960, 1970 e 1980, muitas unidades foram construídas em países como a Espanha (SEAT 600 entre 1957 e 1973), onde se tornou o ícone do milagre espanhol, a Argentina, onde foi apelidado de Fitito (um diminutivo de FIAT) e na antiga Iugoslávia, onde foi apelidado de Fića ou Fićo (Zastava 750) . Abaixo

Na Alemanha se chamava Neckar Jägst 770 e tinha 767 cm³ e 25 cavalos. Na Espanha foi fabricado o Seat 800 que era um Fiat 600 mais longo, com quatro portas e seis vidros laterais.  No mínimo interessante. Todos os modelo 600 fabricados nos países citados tinham diferenças mínimas como frisos e grades frontais.

Havia também a versão mais potente Fiat 600 D. Foi fabricado na Itália e na Argentina.Tinha também motor traseiro, tração traseira, quatro cilindros em linha verticais, 767 cm³, 32 cavalos à 4.800 rpm, alimentado por um carburador Weber em posição invertida.

Seu motor era montado sobre o eixo traseiro, válvulas no cabeçote com comando lateral e virabrequim com três mancais. Manutenção fácil e barata! Seu consumo era de até 18 km/l e a capacidade do tanque de combustível era de 27 litros.

Na versão esportiva Abarth 850 CT Corsa (Corrida em italiano) tinha 847 cm³ e 70 cavalos à 8.000 rpm. Era alimentado por um carburador de corpo duplo, velas, cabeçote e escapamentos especiais da marca Abarth . Chegava à 178 km/h! Em 1965 tirava o sossego de vários grandões nas auto estradas da Europa. Nas pistas então... fazia a festa.  Havia também a 1000 Corsa com 110 cavalos! Mais atrevida ainda!

Foi mais um carro bem sucedido de Dante Giacosa, que foi um engenheiro projetista de automóveis italiano, responsável por diversos projetos de automóveis italianos e aprimorador do layout de tração dianteira em uma configuração industrial padronizada. Foi o responsável pelo nascimento do Fiat 500 Topolino, Fiat Nuova 500, 124,125, 126, 127 (nosso 147) , 128, 130, Autobianchi Primula entre outros.

Sua fabricação se encerou em 1986 na Iugoslávia. Foi o primeiro carro mundial da fabricante de Torino, fabricado na planta de Mirafiori. Um sucesso na Europa e na América Latina! Suas melhores qualidades eram a mecânica simples e robusta e a carroceria simpática. Infelizmente não se fazem mais carros como este e seus concorrentes nas décadas de 50,60 e 70. Eram simples, urbanos, robustos e com preço muito acessível para a maior parte da população. Um verdadeiro carro popular!

E um 600 Jolly carroceria Ghia muito simpático!

Texto, fotos Retroauto, fotos de divulgação . Montagem Francis Castaings                                                                                       

© Copyright - Site http://www.retroauto.com.br - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução de conteúdo do site sem autorização seja de fotos ou textos.

Volte a página Anterior

Volte a página principal