A Bela e Charmosa Aurelia

Desde a sua fundação, em 1907, a fábrica de automóveis italiana Lancia sempre produziu modelos originais que sempre traziam alguma novidade. E logicamente beleza em carroceria, charme e bons motores.

Na década de 20 o destaque ficou por conta do modelo Lambda. Uma obra prima que Vincenzo Lancia se orgulhava muito de fabricar na cidade de Torino, na Itália. Após a segunda guerra  mundial, já sob a batuta do herdeiro Gianni, um novo projeto estava em curso.                                                                                      

Em 1950, no salão de Torino, Itália era lançado o Lancia Aurélia B 10.

Tratava-se de um sedã quatro portas com linhas bem curvas. A traseira tinha um leve fastback e as portas de trás tinham abertura suicida. Não era um modelo de linhas muito atraentes. Mas tinha um estilo diferente que cativava. O para-brisas não tinham divisão e os vidros dianteiros não tinha quebra ventos. Já antecipava uma tendência

Seu motor dianteiro, refrigerado a água, era um seis cilindros em V. Seria o primeiro motor nesta configuração produzido em larga escala. Mais um pioneirismo da empresa. Este grupo propulsor, em liga leve, num ângulo de 60º, tinha 1.754 cm³ e potência de 56 a 4.000 rpm. Sua velocidade máxima era de 135 km/h. Foi projetado por Francesco De Virgilio  e contou também com a astúcia de Vittorio Jano que desenhou, e colocou num conjunto só,  embreagem, caixa e diferencial para o motor em V.Esta solução brilhante foi copiada depois por Ferrari, Porsche e outros também famosos.

AutoClasica_San_Isidro_2014_Outubro_fotos_Seg__Parte_(372)

Em 1951 nascia outro belo modelo da linha Aurélia. Era o cupê B20. Tinha carroceria monobloco, e era mais moderna que o sedã de quatro portas lançado um ano antes. Seu motor, mais potente, contava com 1.991 cm³, 80 cavalos de potência a 5.000 rpm. Visto de qualquer ângulo, era um carro bonito. Na frente a nova grade com formato de coração tinha um friso central separando. Para auxiliar na refrigeração ainda havia duas grades laterais em formato retangular. O grupo óptico contava com quatro faróis circulares sendo que os principais tinham diâmetro maior.

AutoClasica_San_Isidro_2014_Outubro_fotos_Seg__Parte_(376)

Fez sucesso nas pistas da Europa. Nos ralis de Monte Carlo como em sua categoria nas 24 horas de Le Mans, Mille Miglia, Targa Florio e Monza, ganhou chegando a frente de concorrentes bem mais potentes. Preparado para corridas, chegava a atingir vê,locidades superiores a 190 km/h.

E também nas mãos de personalidades do Jet Set, fez muito sucesso na frente de mansões, palácios e restaurantes de renome. Famosos como o ator norte americano Gary Cooper e o Príncipe Ranier de Mônaco, conhecido amante de belas máquinas, foram proprietários. Este modelo aliava luxo e esportividade. Em 1954 o sedã ficava mais forte com 2.266 cm³ e 87 cavalos a 4.800 rpm.

Um ano depois, no Salão de Bruxelas, na Bélgica, a grande novidade da linha Aurelia. Era apresentado o modelo Spider B24 S. Foi produzido nas linhas de montagem da  Pinin Farina, mas o desenho, baseado no cupê, era obra de Martiengo. Foi apresentado como sendo um “carro de Sonho”. E era muito bonito o esportivo. O modelo Spider América, como era chamado, tinha cilindrada de 2.451 cm³ e potência de 118 cavalos a 5.300 rpm. Sua velocidade máxima era de 180 km/h e fazia de 0 a 100 km/h em 11 segundos.

AutoClasica_San_Isidro_2014_Outubro_fotos_Seg__Parte_(377)

Em um ano só foram produzidas 240 unidades. Seu para-brisas era panorâmico, não tinha maçanetas nas portas e os vidros laterais eram removíveis. Um autêntico esportivo. Tinha suas limitações, pois não tinha capota fixa nem como opcional. Sobre o capô, com desenho em V, havia uma pequena entrada de ar. Apesar de ter dimensões limitadas, o acesso para o motor não era tão ruim. Atrás tinha lanternas muito pequenas para-choques divididos e saída dupla de canos de descargas nada humildes. 

Baseado neste modelo, em 1956 era lançado a versão civil do Spider América. Tinha a denominação de B 24. O conversível de duas portas tinha 4,29 metros de comprimento e pesava 1.160 quilos. Neste tinha maçanetas, vidros convencionais e opção de capota hard-top. 

Continuava com o bom V6 com bloco e cabeçote em liga de alumínio mas com potência de 112 cavalos. Era alimentado por um carburador de duplo corpo da marca Webber. As válvulas eram no cabeçote e acionadas por balancins. O torque máximo era de 17,5 mkg a 3.500 mkg. Sua velocidade máxima era de 175 km/h. Um de seus rivais era o inglês XK 140 da Jaguar.

AutoClasica_San_Isidro_2014_Outubro_fotos_Seg__Parte_(379)

Por dentro era confortável para dois adultos. O mais interessante é que, atrás dos bancos individuais reclináveis, havia um bom espaço para pequenas bagagens. E o porta malas era de bom tamanho para um esportivo.

O volante de boa pega tinha três raios de alumínio e aro de madeira. No painel de metal, dois mostradores, velocímetro e conta-giros, eram de bom tamanho. Vários botões ajudavam no controle de outras funções. Tudo muito bem acabado e elegante como era tradição da empresa.

A alavanca de marchas, no assoalho, tinha bom posicionamento. Tinha quatro velocidades sendo que a primeira não era sincronizada. A tração, como em todos os modelos, era traseira.

AutoClasica_San_Isidro_2014_Outubro_fotos_Seg__Parte_(380)

A suspensão dianteira era independente com molas helicoidais concêntricas. As de trás tinham eixo De Dion e molas semi-elipticas. Os pneus eram na medida 165 x 400 em belas rodas raiadas e lhe davam muito boa estabilidade. Os freios a tambor davam conta de parar o esportivo. 

A produção da linha Aurélia terminou em 1958. Vários construtores de carrocerias independentes usavam seu chassi para “experiências” .

Ao todo, desde de 1950, foram produzidas 18.197 unidades sendo que apenas 761 modelos conversíveis incluídos aí só 240 modelos América. Tanto um quanto outro são muito raros hoje. E desejados. 

 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A Miniatura

Lancia_Aurelia_B24_Miniatura_Site_004

Trata-se de uma miniatura da Bburago que constou no catálogo por anos.  Motor bem detalhado.

Lancia_Aurelia_B24_Miniatura_Site_010

Porta malas idem.  Os bancos reclinam.

Lancia_Aurelia_B24_Miniatura_Site_016

Chassi também.                                                                                    

Lancia_Aurelia_B24_Miniatura_Site_022

Na escala 1/18. E a cor é a mesma da linha real de série da época. Tem abertura o porta-malas, o capô, as portas, o volante gira junto com as belas rodas raiadas.

Lancia_Aurelia_B24_Miniatura_Site_018

Texto, fotos e montagem Francis Castaings                               

© Copyright - Site http://www.retroauto.com.br - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução de conteúdo do site sem autorização seja de fotos ou textos.

Volte a página amterior

Volte a página inicial