Rebeldia Veloz

Variação do 356, chegou em primeiro na categoria de carros esporte até 1.500 cm³ na Mille Miglia de 1954, nas mãos de Hans Hermann e Hubert Linge.

Tinha chassi em aço com estrutura tubular, carroceria em liga leve (poucos recebiam pintura), motor quatro cilindros boxer, com quatro comandos de válvulas, cilindrada de 1.498 cm³, potência de 78 cavalos a 5.000 rpm e velocidade final de 200 km/h.O motor foi desenvolvido pela equipe de Ernst Fuhrman 

Pesava 550 quilos, tinha 3,7 metros de comprimento, 2,1 de entre-eixos 1,6 de largura e 0,98 de altura.A suspensão era independente nas quatro rodas. Na frente tinha braços arrastados oscilantes, duas barras de torção, uma barra estabilizadora e amortecedores telescópicos. Atrás semi-eixos oscilantes controlados por braços longitudinais e uma barra de torção transversal. Os freios eram a tambor com sistema hidráulico. Os pneus dianteiros eram na medida 5,0 -16 RS e atrás 5,25 -16 RS.                                                                          

Era um bólido civil para esnobar na área urbana e também na estrada. A designação Carrera nos modelos 356 e 911 vinha de uma corrida de estrada realizado no México e sul dos Estados Unidos, no estado do Texas, entre 1950 e 1955 chamada de Carrera Panamericana e vencida em 1953 pelo Porsche 550 cupê na classe de 1,6 litros pilotado por Jose Sala Herrante nascido na Guatemala e Carlos Gonzales. Um dos objetivos de sua produção era a homologação na categoria GT do grupo 3 da FIA














O modelo que venceu a Mille Miglia pertence hoje à coleção do Museu Porsche em Stuttgart. Um dos poucos opcionais era o vidro único na frente (acima) apensa para o piloto e uma capa para cobrir os bancos. O de produção era muito baixo, cobria toda a frente e tinha até um pequeno limpador de para-brisa.

Para abrir era usado um zíper. Por dentro dois assentos para piloto e co-pitolo (era obrigatório assim como ter um pneu estepe que no caso do 550 ficava atrás do motor) . Painel em aço fazendo parte da carroceria com velocímetro graduado a 250 km/h, conta-giros com a zona vermelha começando aos 6.000 rpm, marcador de pressão e temperatura de óleo e nível do tanque de combustível. O grande volante tinha três raios.

Em 1956 o chassi em aço era redesenhado e estava mais leve e rígido. Foi uma revisão do projeto, chamado de 550A. O motor de carburação dupla com bloco, cilindros e cabeçotes de liga leve gerava 135 cavalos a 7.200 rpm, levando o pequeno Porsche a 220 km/h, fazendo de 0 a 100 km/h em dez segundos. O bocal de entrada de combustível no capô dianteiro facilitava o abastecimento para 68 litros de gasolina. O sistema de ignição dupla era composto por dois distribuidores, duas bobinas e tinha duas velas por cilindro. O sistema de lubrificação por carter seco incluía um reservatório de óleo separado de oito litros. Era alimentado por dois carburadores da marca Solex 40. Sua caixa de marchas tinha quatro velocidades (cinco no modelo 550A) e era acoplada a um diferencial auto blocante.

Suficientes para uma surpreendente vitória em Targa Florio. Umberto Maglioli ganhou e foi a primeira vitória geral da Porsche superando carros de maior potência.Os modelos ficaram em primeiro, terceiro e quarto lugar consagrando o 550 Spyder.

Antes o carro foi submetido a testes severos na corrida Eifel no famoso circuito de Nürburgring

Abaixo em uma apresentação antes da prova de Le Mans na curva Dunlop. Venceu em sua classe para motores até 1,5 litro a uma média de 138,8 km/h superando o recorde anterior em 16 km/h.

Vários Spyders da equipe da Porsche passavam pela famosa reta Hunaudières nas 24 Horas de Le Mans, prova em que o pequeno roadster acumulou oito vitórias.

A curta existência e a raridade do Spyder: Somente 90 unidades dessa lenda foram fabricadas até 1956. A criação de Ferry Porsche foi produzida em Stuttgart  entre 1953 e 1956

Junto com os grandes.. Abaixo o 550 Spyder, o Porsche 917 e o Porsche 911 GT1

Em 1957 conquistou dupla vitória na classe ate 1.500 cm³ nas 12 horas de Sebring, na Flórida, nos Estados Unidos. Em 1958 foi vice campeão alemão no campeonato de velocidades com Stirling Moss e Jean Behra.

Abaixo o 356. Saiba mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O sucessor

Porsche RSK 718-60 Spyder

Porsche RSK 718-60 Spyder 1960 que teve Zagato como construtor

Este carro foi vencedor do campeonato alemão de subida de montanha com Wolfgang  Graf e Berghe Von Trips.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As réplicas

O primeiro veículos da empresa paulista Chamonix foi a réplica do Porsche Spyder 550. Esta foi projetada pelo americano Chuck Beck no Brasil, contratado pela Chamonix. A carroceria moldada plástico reforçado com fibra de vidro, chassi tubular e mecânica Volkswagen (suspensões, direção, caixa de quatro marchas e motor 1600 arrefecido a ar, com 54 cavalos. Tal como no Porsche original, o motor era montado entre eixos, atrás dos assentos e em posição invertida; os freios dianteiros eram a disco na frente. Como itens de série, bancos de couro e capota removível. O Spyder 550 com o motor VW boxer permaneceu em produção por mais de 20 anos, mas com injeção eletrônica e 65 cavalos.

Galaxeiros_Encontro_Novembro_2015_069

Em 1995 a Chamonix fez uma grande alteração na motorização e o carro passou a se chamar Spyder 550 S. Tinha a mesma carroceria, mas com mecânica nova: Tratava-se do motor Volkswagen AP (alta performance )  do Santana, 2,0 litros em posição central arrefecido a água com injeção multiponto e 125 cavalos a 5.500 rpm. Tinha caixa de cinco marchas, suspensão traseira De Dion (braços longitudinais oscilantes e molas helicoidais) e freios a disco nas quatro rodas. Com esta mudança o peso passou a ser de 680 quilos.  Segundo dados a velocidade final era de 225 km/h e acelerando de 0 a 100 em 6,5 segundos. Por fora as diferenças eram a grade dianteira para arrefecimento do radiador de água e os dois arcos de proteção semicirculares cromados montados atrás dos assentos

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Uma réplica argentina muito fiel

Outra

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Em Escala

Porsche 550 Spyder em escala 1/18. Muito fiel!

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

30 de setembro de 1955. O dia em que James Dean morreu enquanto dirigia seu Porsche

Dirigindo muito rápido, por volta de 170 km/h, o grande ator de Hollywood bate no carro de um estudante, num Ford Tudor 1950 cujo proprietário era Donald , que atravessava a estrada. Há 65 anos!

Em março de 1955, James Dean comprou seu Porsche 356 1.500 Super Speedster conversível (conheça) , e em setembro de 1955 Jimmy comprou um 550 Spider prata (foto), com o número 130 pintado no capô e na traseira seu apelido "Little Bastard".

Na sexta-feira, 30 de setembro de 1955, James Dean dirigia seu Porsche 550 Spyder pela Rota 466, com os cabelos ao vento. Ele ia para Salinas, Califórnia,  participar de uma corrida automobilística marcada para o dia seguinte. Nesta satisfação por velocidade eleesteve esperando impacientemente pelas últimas palmas do filme  Assim Caminha a Humanidade (Giant) por semanas para se sentar ao volante de seu carro de corrida! Sem perder tempo, ele levou seu mecânico Rolf consigo e pegou a estrada.

Às 17:45, nos arredores da pequena cidade de Cholame, James Dean vê um veículo Ford preto e branco vindo em sua direção. Não houve tempo...

Enquanto viajava para o evento via Rota 466, (atualmente SR 46) aproximadamente às 17h45, um Ford Tudor 1950 estava fazendo retorno num cruzamento, à frente do Porsche. Dean, não conseguiu parar a tempo e bateu na frente e na lateral direita do lado do motorista do Ford, fazendo o carro de Dean voar pela estrada e cair no acostamento da rodovia. O passageiro de Dean, Wütherich, foi arremessado do Porsche, enquanto Dean ficou preso no carro e sofreu vários ferimentos fatais, incluindo um pescoço quebrado. O motorista do Ford, Donald Turnupseed, sofreu apenas ferimentos leves. O acidente foi testemunhado por diversos transeuntes que pararam para ajudar. Uma mulher com experiência em enfermagem socorreu Dean e detectou que seu pulso estava fraco, e que "a morte parece ter sido instantânea". Dean foi declarado morto no local, logo depois de chegar de ambulância no Hospital Paso Robles War Memorial às 18h20. Há muita controvérsia ainda sobre o acidente!

Texto e montagem Francis Castaings. Demais fotos de divulgação e Club Citroën Argentina                                  

© Copyright - Site http://www.retroauto.com.br - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução de conteúdo do site sem autorização seja de fotos ou textos.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Volte a página Anterior

Volte a página principal do site.