Pequeno, mas Quente

Com muito segredo, durante a Segunda Guerra Mundial, era desenvolvido o projeto de um pequeno automóvel no interior da fábrica da Renault, nos arredores de Paris, na França.

Desde 26 de junho de 1940, a fábrica de Boulogne Billancourt, centro de Paris, França,  estava sob o comando dos alemães na França ocupada. E lá não se fabricava automóveis convencionais. Eram montados tanques, caminhões e jipes de guerra. Os engenheiros Fernand Picard, Charles-Edmond Serre e Jean-Auguste Riolfo, pensavam num carro pequeno, barato e muito econômico para se adaptar a nova conjuntura econômica que se estabeleceria num país mutilado pela guerra.

Três protótipos foram construídos inspirados no modelo KDF apresentado pela Volkswagen em 1939. Era pequeno e com motor traseiro. Já no final do conflito, o fundador Louis Renault, aos 67 anos, falecia em outubro de 1944. No lugar dele foi nomeado Pierre Lefaucheux como presidente da Renault que vinha a se tornar uma estatal.  

Aos poucos, as atividades industriais iam se retomando. Lançado em 1937, o modelo Juvaquatre, já envelhecido, era o único carro comercializado em 1946 pela empresa do losango. 

Finalmente, em setembro de 1946, o pequeno carro da retomada da Renault é apresentado aos jornalistas. Porém, só no fim de 1947 é que o Renault 4CV (Potência fiscal) deixava as linhas de montagens para ser vendido nas concessionárias. Todos na cor amarelo areia, cor esta que era usada nos veículos militares, e estava com um estoque altíssimo.

O carrinho, de linhas redondas, tinha quatro portas, sendo que as dianteiras eram do tipo “suicida”,  media só 3,6 metros e pesava 600 quilos. Seu pequeno motor, de ferro fundido e cabeçote em alumínio, de quatro cilindros em linha, longitudinal, refrigerado a água, era posicionado na traseira, tinha 747 cm³ e desenvolvia 17 cavalos a 4.100 rpm. As válvulas eram no cabeçote acionadas por balancins. A alimentação era feita por um carburador, em posição invertida, da marca Solex, também francesa, era de corpo simples. A taxa de compressão era de 6,7:1. Sua caixa de marchas tinha três velocidades sendo que a primeira não era sincronizada. Sua tração era traseira e a velocidade máxima era de 95 km/h. Para dar a partida também podia fazer uso de uma manivela conectada à ponta do virabrequim, que, quando girava, produzia a faísca necessária para dar início à combustão e ao funcionamento do motor

No capô traseiro eram bem visíveis as aletas, oito de cada lado, necessárias para refrigerar o motor. Na frente havia vários frisos que simulavam uma grade e aqueles que não o conheciam poderiam pensar que o motor era dianteiro. O retrovisor era posicionado na  coluna do para-brisas e depois foi para os para-lamas. Longe de ser um carro bonito. Mas fez sucesso, pois era muito simpático.

A boa estabilidade era garantida pela suspensão com quatro rodas independentes, amortecedores hidráulicos e molas helicoidais. Usava rodas de 16 polegadas com pneus 135 x 400 e seus freios com acionamento hidráulico eram a tambor. Suficientes para dar conta do pequenino.

Por dentro era muito simples. A visibilidade dianteira era muito boa devido ao bom tamanho do para-brisas e a restante razoável. E devido ao seu tamanho reduzido, era fácil estaciona-lo e ótimo para circular nas ruas estreitas da velha Europa. E por isso também, muito ágil no transito urbano das grandes capitais.

Levava com razoável conforto quatro passageiros de estatura mediana. Era ideal para um casal mais crianças. O porta malas dianteiro era limitado e o bagageiro, que era opcional, mas muito necessário, era um acessório requisitado. Havia também um pequeno reboque que era oferecido por pequenos fabricantes. O conjunto ficava muito harmonioso. O painel, ao centro, tinha o necessário e o volante de dois raios tinha um desenho muito simples. Um pequeno porta-luvas com tampa estava disponível. Seus concorrentes eram o VW sedã, o Fiat Topolino, o Morris Minor e, na terra natal, o Simca 6 e o Citroën 2 CV (conheça) .

Fazendo muito sucesso na França e em toda Europa, ganhou um apelido entre os franceses: - Barra de manteiga! Era devido a cor da produção inicial. Mesmo com outras cores, a alcunha pegou e ficou. Logo foram notadas suas qualidades dinâmicas. Vários preparadores da época já “tratavam” da mecânica Renault e começaram a trabalhar no pequeno. Assim, em 1949, na classe até 750 cm³ ganhou o famoso e disputado Rali de Monte Carlo.

Neste ano foram lançadas as versões com teto de lona e outra, batizada Comercial, que não tinha os vidros traseiros. Eram fechados por chapa. Também a versão Grand Luxe que tinha a potência aumentada para 21 cavalos, alguns adornos externos e acabamento interior diferenciado. 

Em dezembro de 1950 era lançada a versão “corrida” que tinha 747 cm³ e 32 cavalos.

Um ano depois, ganhou vários ralis na França, na Bélgica, na Argélia, Marrocos, no Rali Liège - Roma-Liège  e na sua classe, também obteve vitória de classe nas 24 horas de Le Mans !  Sua taxa de compressão foi elevada de de 8,4 à 9,5. A potência passou a ser de 43 cavalos a 4600 rpm graças ao rebaixamento do cabeçote e sua velocidade final era de 140 km/h. Com o tanque de 68 litros conseguia rodar 28 voltas, correspondente a 377 quilômetros sem abastecer. Sua média horária foi de 111 km/h! Para aliviar o peso parte da carroceria era em alumínio.

Já no início da década de 50 chegou ao Brasil. E ganhou o apelido de “Rabo-Quente” por causa da temperatura que o motor transmitia aos ocupantes do banco de trás. E  também participou de corridas se dando muito bem.

Em 1953 a bateria era deslocada da frente para junto do motor e o pneu estepe era colocado na posição vertical. Melhorou o espaço para as poucas bagagens. E no ano seguinte, já tinham sido produzidos meio milhão do pequeno Renault 4CV.  

Em 1957, na Itália, era apresentado o modelo Fiat Nouva 500 (conheça)  que chegava para fazer concorrência. 

Em julho de 1961, com a carroceria quase inalterada, a exceção de frisos, o 4CV deixou de ser produzido. Foram fabricados 1.100.000 unidades durante quatorze anos e o R4 (saiba mais)  o substituiu.

Em 1996, para comemorar o cinquentenário, foi exibido, no Salão de Paris, o modelo Fiftie. Tratava-se de um carro conceito com linhas inspiradas no 4 CV. Uma pena não ter sido fabricado, pois era muito interessante.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Os Hot's de nosso estado

Não foi produzida a versão duas portas, esta é uma adaptação

Nova_Lima_Confraternizacao_Dezembro_2015_(29)

E outra versão também modificada

Nova_Lima_Encontro__Setembro_Sabado_2015__(83)

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fotos de época

Texto, fotos, e montagem Francis Castaings Demais fotos do site Retroauto e fotos de divulgação.                                                       

© Copyright - Site http://www.retroauto.com.br - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução de conteúdo do site sem autorização seja de fotos ou textos.

Volte a página Anterior

Volte a página principal