Um Volkswagen para lama, areia e neve. Ou para a guerra e para a paz

 A história do Jeep americano é longa, começou em meados da década de 30 e não faltaram problemas, principalmente quanto à fabricação. A verdadeira dona da ideia e do projeto era a Austin Bantam que depois passou a se chamar American Bantam. E a gloria ficou com a Ford e a Willys. Dou outro lado do Oceano Atlântico, na Alemanha, os militares adiaram a produção do Kdf-Wagen (leia-se Fusca) para se dedicar a produção dos utilitários Kübelwagen (abaixo) e do anfíbio Schwimmwagen. Como curiosidade, um dos protótipos do Kübelwagen estava disfarçado com a carroceira do Kdf-Wagen. Era um Fusca, ainda o projeto W30, com motor de 704 cm³ e 984 cm³. E era bem alto com pneus largos e de bom diâmetro.

Passado o conflito, já na década de 60, a Itália tinha seu utilitário Fiat Campagnolo e Alfa Romeo Matta, a França o Citroën Méhari derivado do Citroën 2CV, a Inglaterra o Mini Moke derivado do Austin Morris Mini, o Apal em Portugal e na Alemanha o antiquado Munga que veio para o Brasil e chamou-se aqui DKW Candango. Todos tinham sua versão civil e militar. E a Volkswagen não queria ficar fora dessa disputa ao mesmo tempo bélica e prazerosa. Ia criar um veiculo para a guerra e para o lazer. Assim como o Jeep era corruptela de GP, General Purpose, o alemão era Mehrzweckwagen. Também um veículo de múltiplo propósito.

O Volkswagen Typ 181 foi apresentado em agosto de 1969 na Europa. Suas linhas eram muito semelhantes ao Kübelwagen, mas simpáticas! Ele tinha um aspecto divertido! Sua carroceria era de plástico reforçado com fibra-de-vidro, com cores vivas para as ruas do mundo e verde escuro para as unidades do exército europeu, asiático, africano e oriente. Para este sua capota era de lona e a antena de comunicação do radio ficava muito visível na traseira. Na versão para o lazer ficava mais a vontade sem a capota, que podia ter cor clara ou escura, com ou sem as portas de lona que podiam ser retiradas a depois colocadas. A capota rígida opcional. Aproveitava várias peças de outros modelos Volkswagen como faróis, lâmpadas de seta dianteira e traseira, faroletes... Caiu nas graças de outros países e dependendo do local o nome variava. Nos Estados Unidos foi Thing (coisa), no México Safári, na Inglaterra Trekker (o nome foi escolhido num concurso) e no restante da Europa 181. A carroceria era compacta como seus irmãos Volkswagen Käfer, Kombi, Typ 3 sedã, Variant e TL. Suas medidas eram: 3,78 metros de comprimento, 1,64 de largura e 1,62 de altura. Sua altura em relação ao solo era muito boa para passear nas praias e montanhas. Seja a trabalho no campo, em fazendas ou lazer.

Seu peso era de 900 quilos e sua plataforma era a mesma do Fusca. Era fornecido nas cores laranja, amarelo, branco e vermelho. Na versão civil a capota podia ser preta, bege ou branca. Atrás, como todos VW na época, tinha motor de quatro cilindros opostos (Boxer), arrefecido a ar, 1.493 cm³ de cilindrada e alimentado por e um carburador de corpo simples. Sua potência era de 44 cavalos a 4.000 rpm e torque máximo de 10,2 kgfm a 2.000 rpm. Sua tração era traseira e tinha como opcional o diferencial autobloqueante.  Estava equipado com pneus 165 x 15 de uso misto e nas rodas com desenho simples usava as calotas rústicas da Kombi. Seus freios eram a tambor, mas suficientes para o utilitário. A suspensão dianteira usava braços arrastados. A traseira com semi-eixos oscilantes, ambas com barras de torção. Na mesma tradição VW.

Se Fusca e o grande e versátil utilitário VW Kombi enfrentavam bem a lama, areia e neve, este ficava mais a vontade.  Era muito bom para quatro passageiros, seu porta malas dianteiro era limitado por conta principalmente do espaço ocupado pelo pneu reserva e pelo tanque de gasolina de 40 litros. Sua capacidade de carga era boa: Podia carregar até 400 quilos ou rebocar. No exército foi muito apreciado e muito usado para a guarda das fronteiras alemãs. Mas para o lazer também. Por dentro era muito simples: Num único mostrador reunia velocímetro e hodômetro total, luz espia de óleo, um mini marcador de milhas por hora e nível de combustível. O reservatório do óleo de freio ficava abaixo do painel. No mínimo pratico!

Em 1970 já estava mais forte. O motor estava com 1.584 cm³ e 48 cavalos. O câmbio manual tinha quatro marchas e uma relação curta estava de acordo com a proposta. Não tinham nem como opcional caixa automática, mas mesmo assim fizeram sucesso nos Estados Unidos! Não era um carro para arrancadas e fazia 0 a 100 km/h em 24 segundos sua final beirava os 120 km/h. Mas não faltaram aqueles proprietários que rebaixavam, colocavam rodas e pneus mais largos e tinham um motor apimentado! No litoral da Europa, Estados Unidos e Caribe fizeram muito sucesso. A manutenção e peças em comum com a linha Volkswagen era seu maior argumento!

Em 1973 já compartilhava a mesma suspensão do VW 1303. A dianteira tinha desenho McPherson e pneus 185 R 14. Ficou mais atraente.

Em 1973 o utilitário passava a ser fabricado também no México. Era só subir e chegar na Califórnia onde já era bem aceito. A publicidade em terras americanas era: Thing podia ser anything (qualquer coisa), um veículo adequado para a neve, praia, cidade e  campo. "Quer ver um filme? Rebata o pára-brisa e você não perderá nada", convidava, referindo-se à moda dos cinemas drive-in. Em 1975 não passava nos severos testes de segurança dos Estados Unidos. Ruim para a empresa alemã e para aqueles que o apreciavam.

Em 1979 deixava de ser fabricado. Foi produzidas na Alemanha cerca de 70.519 unidades e 20.400 no México na versão civil. Uma versão especial tinha que ser produzida: Foi usada em Acapulco, nome da famosa cidade litorânea situada no oceano Pacifico  eternizada no filme de Elvis Presley. Era quase que exclusiva de um luxuoso hotel: o Las Brisas Hotel. Tinha estribos, capota em forma de toldo, tudo em azul. Em alguns capota branca mais adequada para os dias de chuva. Um carnaval ou uma festa mexicana com todos Mariachis? Chamava-se Acapulco Thing" (coisa de Acapulco)! 

Serviu de inspiração para os modelos da Gurgel, principalmente os mais coloridos. Leia sobre os carros Gurgel. .

O modelo 181 foi substituído pelo Volkswagen Iltis em 1978 na versão militar e em 1979 na versão civil.















Tinha o mesmo motor do VW Passat e tração nas quatro rodas.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nas telas

O Volkswagen 181 Thing aparece numa das primeiras cenas com a atriz americana Sandra Bullock dirigindo um modelo amarelo em Velocidade Máxima 2 (Speed 2: Cruise Control ) de 1997.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Em Escala

A inglesa Matchbox fez um modelo ano 1975 na escala 1/64 sem capota. O laranja, na mesma escala, é da Hotwheels. Com rodas e pneus largos. O Verde é um militar da Siku que foi fabricado sob licença em Manaus. O para-brisa rebate e a capota sai. Corretos! A Maisto fez um em escala 1/24

Um belo Kübelwagen de um amigo na escala 1/18. Super detalhado!

Para ler - Clique no livro para acessar

Picapes Chevrolet - Robustez que conquistou o Brasil

Caminhões FNM 

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A História do Automóvel - Três volumes

Uma excelente coleção para quem quer conhecer o mundo ao automóvel é o Box coleção: A História do Automóvel - 3 volumes . O autor é o famoso engenheiro e jornalista José Luiz Vieira um dos responsáveis das edições da antiga revista Motor 3. Estes exemplares citados aqui tem excelente qualidade gráfica e editorial. Vem no formato 19 x 26 x 9 cm. São ao todo 1.320 páginas contando a história de todo automobilismo mundial com muitos textos e fotos. Ele se divide em:

  • Volume 1 - da pré-história a 1908
  • Volume 2 - de 1908 a 1950
  • Volume 3 - de 1950 aos dias atuais

Clique abaixo acessar o site.

Os bons livros da Editora Alaúde. Clique abaixo.

Compre livros de carros nacionais ou estrangeiros na Clique aqui para comprar livros

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A Editora Alaúde fez uma tem ótimos livros sobre os carros brasileiros e estrangeiros. Clique sobre a figura e acesse.

Vários bons títulos.

Ambos em capa dura e são muito ricos em fotos e dados. Clique sobre a figura para acessar.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Texto e montagem:  Francis Castaings - Fotos de divulgação                 

© Copyright - Site http://www.retroauto.com.br - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução de conteúdo do site sem autorização seja de fotos ou textos.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Volte a página principal do site.