Rétromobile 2022: O evento que faz de Paris, França, a capital dos carros antigos.

Rétromobile 2022: O evento que faz de Paris, França, a capital dos carros antigos.

O maior Salão de Automóveis Antigos do Mundo

A Primeira Exposição da Temporada para os Amantes de Carros Antigos. Venha viajar no tempo ou viver a sua paixão. Sonhe, maravilhe-se, aprenda, invista, conheça artistas, clubes e federações, livreiros, organizadores de ralis, vendedores de peças de reposição e miniaturas, manuais, livros, cartazes, negociantes de automóveis, casas de leilões, restauradores mecânicos e de carrocerias e seguradoras de fabricantes como: Bentley, Bugatti, BMW, Mercedes , Porsche, Ferrari, Citroën, Peugeot, Renault, Lancia, Alfa Romeo, Jaguar, Land Rover, Ferrari, Aston Martin, Maserati, Lamborghini… É o espetáculo para entusiastas, curiosos ou amantes de carros antigos.

Onde? Versalhes – Região metropolitana de Paris, França

VENDAS DE LEILÃO DE CARROS DE COLECIONADOR

Evento de renome internacional, o Rétromobile é também um grande evento que reúne os três líderes mundiais em leilões, entre os quais a Artcurial Motorcars, que assinou uma venda de 32 milhões de euros em 2020.

Rétromobile de 16 a 20 de março de 2022 no Centro de Exposições Porte de Versailles

Os pavilhões 1, 2 e 3 abrigam tesouros automotivos para o deleite dos 130.000 homens e mulheres esperados em todo o mundo. O novo, o extraordinário e o inesperado competirão pela emoção, mas é a paixão que será o denominador comum desta 46ª edição. Não houve em 2021. Venha viajar no tempo e externar sua paixão. Sonhar, admirar, ser informado, investir, conhecer artistas, construtores, clubes, federações, vendedores de peças de reposição e miniaturas, restauradores, revendedores de automóveis: tudo é permitido na Rétromobile. Um evento internacional em Paris, a primeira exposição da temporada para os amantes de carros antigos. 620 expositores, 72.000 m² de espaço para exposições 1.000 veículos em exposição. Mais de 120 clubes presentes! Abaixo, num evento externo, há um desfile de carros do início das décadas de 10 e 20 do século passado.


Lamborghini – Tributo ao Countach

Fiel a exposição parisiense, o fabricante Sant’Agata, ao norte de Modena, no norte da  Itália, apresentou todas as atividades de seu departamento de restauração e a reconstrução do primeiro Countach, o LP 500

Os visitantes do Retromobile tiveram sorte. A Lamborghini exibiu a reconstrução do Countach LP 500. Obra de Marcello Gandini, então diretor de carroceria da Bertone, este protótipo único foi a estrela do Salão Automóvel de Genebra em março de 1971.

Anunciando o Countach que substituiria o Miura (Conheça) , suas linhas angulosas e futuristas marcaram todos que o viram na época. Após três anos de desenvolvimento, o LP 500 infelizmente foi destruído durante um teste de colisão antes de desaparecer. Foi apenas no final de 2017 que um importante cliente colecionador da marca questionou a fabricante italiana sobre a viabilidade de reconstruir esta importante peça. Um desafio que o Polo Storico aceitaria.

A prova de que nada é impossível para este departamento responsável por preservar e promover o patrimônio da marca italiana de carros esportivos com a imagem do touro. O seu campo de intervenção é vasto: restauro parcial ou total de veículos, desde o 350 GT, primeiro modelo esportivo da marca, ao super esportivo Diablo, reconstrução de peças sobressalentes, certificação de modelos, promoção de atividades no âmbito de feiras e eventos.

Por falta de documentação, o Polo Storico colaborou com o centro de estilo, que produziu um modelo em escala real baseado na digitalização 3D do primeiro chassi do LP 400. O fabricante Pirelli esteve particularmente envolvido nessa reconstrução, que exigiu cerca de 25.000 horas de trabalho.


O estande da Aventura Citroën refaz 80 anos de história através de seus modelos emblemáticos

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Retromobile-2022-Citroen-2.jpg

O modelo Rosalie de recordes abaixo e o modelo de produção em série acima

Do famoso Rosalie, que celebra seu nonagésimo aniversário, ao mais recente Citroën C5 X, misturando influências da perua e do sedã, a Citroën pode relembrar uma longa tradição de grandes carros de turismo. Suas performances dão inveja. Desde o início, fala-se sobre Rosalie de recordes. Graças ao empenho da empresa que fabrica a marca de óleos Yacco, a Citroën multiplicou os recordes no autódromo de Linas-Montlhéry. Equipado com uma carroceria aerodinâmico, o Rosalie II percorreu 100.000 Quilômetros a uma velocidade média de 108 km/h durante a primavera de 1932, conquistando sessenta recordes internacionais e trinta recordes mundiais na categoria de 2 a 3 litros de cilindrada.

Citroën: fábrica de produção de Rosalie

O “Rei da Estrada”: Citroën Traction Avant

Com o Traction Avant lançado em 1934, a marca Cais de Javel impôs mais uma audácia. Inovador em mais de um aspecto, este sedã projetado por André Lefebvre estabeleceu novos padrões em termos de experiência de viagem. O Traction Avant atingiu seu auge em 1938 com o modelo 15 de seis cilindros em linha conhecido como “Six”. Este modelo ganha o qualificador justificado de Rei da estrada. Abaixo o modelo em argila do Traction Avant moldado por seu criador Flaminio Bertoni

A marca de vanguarda

No início dos anos 1970, a Citroën renovou o seus modelos com o CX acima Conheça . A sua suspensão hidropneumática, no modelos DS desde seu lançamento em 1955, contribuiu para o seu excelente desempenho em estrada. A vanguarda da marca Chevron (Engrenagem em francês) ainda é evidente no estande com a presença de um Sahara 2 CV, um modelo de tração nas quatro rodas e dois motores. Abaixo o Citroën Traction Avant na estrada mostrando seu desempenho.

E depois o sucesso do Citroën 2CV A presença de um Sahara 2 CV, um modelo de tração nas quatro rodas e dois motores. Um na frente e outro atrás. Idênticos!

E o modelo Citroën BX faz 40 anos em 2022.


A revista Youngtimers celebra o lendário Grupo A!

A revista Youngtimers é presença frequente no Salão Rétromobile. Para esta 46ª edição, a revista mensal dedicada aos carros de culto das décadas de 1970-2000 traz à tona os míticos modelos de homologação “Grupo A”, que animaram o Campeonato do Mundo de Ralis (WRC) nos anos 1980-90.

BMW M3 E30 (1986-90)

Apresentado no Salão Automóvel de Frankfurt em outubro de 1985, o M3 E30 tinha um motor de corrida. É de fato com base no grupo M10, coroado em 1983 sob o capô do Brabham BT52 da Fórmula 1 – projetado para resistir a mais de 1.000 cavalos e rotações de 10.000 rpm – que a BMW e a equipe da empresa Motorsport desenvolveram um quatro cilindros do BMW M3. Chamado S14 B23, este motor de 200 cavalos (195 cavalos com o catalisador) é acoplado a uma caixa de câmbio de cinco velocidades da marca Getrag. Em série, teve várias versões: Evo 1 (215 cavalos), Evo 2 (220 cavalos) e Sport Evo (238 cavalos ).

Participações em Ralis

  • Vitória da Volta da Córsega em 1987 (Béguin/Lenne)
  • Dois títulos de construtores no Campeonato Francês. Título de Construtores no campeonato francês de Ralis em 1989 e 1990 nas mãos de Chatriot e Périn.
  • 16 vitórias no campeonato Francês de Ralis em 1987 e 1990

Ford Sierra RS Cosworth (1986-92)

O civil RS Cosworth apareceu em julho de 1986 com base no Sierra de três portas. Adornado com um kit de carroceria não muito discreto e impulsionado por um turbo de 1.994 cm³ de 204 cavalos, este Ford chega a 240 km/h apenas pela força de suas rodas traseiras. Em fevereiro de 1988, foi sucedido pelo “muito curto” motor Cosworth, desenvolvido desta vez para o sedã. Equipado com tração nas quatro rodas em 1990, subiu para 220 cavalos para compensar o ganho de peso.

Sucessos em Ralis

  • Vitória Na Volta da Córsega 1988 (Auriol / Occelli)
  • Quatro títulos de construtores no campeonato francês de rally em 1987 e 88 (Auriol/Occelli) e depois em 1991 e 92 (Béguin/Lenne)
  • 16 vitórias no campeonato francês de Rali entre 1987 e 90

Ford Escort RS Cosworth (1993-96)

Alargamento de para-lamas e aros largos, spoiler rebaixado, saias, ressalto no capô e spoiler traseiro muito grande (opcional a partir de 1994): o Escort RS Cosworth não passou despercebido! Mas nada é de graça, é de fato um autêntico carro de rali homologado para a estrada. Com sua tração nas quatro rodas garantindo uma aderência extraordinária e seu motor de quatro cilindros de 2,0 litros, 16 válvulas e 220 cavalos com um turbo, a pilotagem é agradável. O Garrett T35 infelizmente foi trocado no final de 1994 por um T25 pequeno e mais progressivo, em troca de 7 cavalos adicionais.

Participações em Ralis

  • 8 vitórias no Campeonato Mundial de Rali entre 1993 e 97
  • 18 vitórias no campeonato francês de rali entre 1993 e 95

Lancia Delta HF Integrale (1986-94)

O primeiro Delta HF 4WD beneficiou do motor de 1.995 cm³ de oito válvulas do Lancia Thema, desenvolvendo 165 cavalos (grade de quatro faróis e para-lamas planos). O HF Integrale 8V que o sucedeu em 1987 atingia 185 cavalos. Suas estofamentos passaram a ser da famosa marca Recaro. O 16V subiu para 200 cavalos em 1989 (capô abaulado, para-lamas ainda mais largos), o Evo 1 para 210 cavalos dois anos depois (para-lamas XXL, spoiler ajustável e capô com entradas de ar) e finalmente o Evo 2 para 215 cavalos em 1993. O mais desejável dos modelos, especialmente se for uma série especial rara.

Participações em ralis

  • 6 títulos de fabricante no Campeonato Mundial de Rally entre 1987 e 92
  • 4 títulos de pilotos no Campeonato Mundial de Ralis em 1987, 88, 89 e 91
  • 46 vitórias no Campeonato Mundial de Rali entre 1987 e 92

Mitsubishi Lancer Evo (1993-2001)

As versões Grupo A e Grupo N foram extrapoladas do Lancer Evolution em 1993. Ao longo das temporadas, o carro evoluiu constantemente: Evo I e II (1994-95, 250 e 260 cavalos respectivamente), Evo III (1995-96, 270 cavalos) , Evo IV (1997-98, 280 cavalos), Evo V (1998-99, 280 cavalos) e Evo VI (1999-2001). Foi ao volante destes carros que Tommi Mäkinen conquistou várias vezes o título de piloto. Em 1998, a Mitsubishi também conquistou a coroa como fabricante.

Participações em Rali

  • 1 título de fabricante no Campeonato Mundial de Rali em 1998 (Mäkinen/Mannisenmäki)
  • 4 títulos de pilotos no Campeonato Mundial de Rally em 1996, 97, 98 e 99
  • 6 vitórias no Campeonato Mundial de Rali em 1998 (Mäkinen/Mannisenmäki e Burns/Reid)
  • 4 vitórias no Campeonato Mundial de Rali em 1997 (Mäkinen/Harjanne)

Nissan Sunny GTI-R (1991-93)

Este Sunny (Pulsar em alguns países) não foi para as mãos de um fã de tuning, mas sim através do departamento de competição da Nissan, a fim de obter a homologação do Grupo A. Os apêndices aerodinâmicos enormes , como os do Lancia Delta HF Integrale e Ford Escort RS Cosworth, com 2.0 l turbo (Garrett T3) de 220 cavalos e tração nas quatro rodas! Um bruto pouco conhecido, mas talentoso, que se tornou extremamente raro em estrita condição original.

Participações em Rali

  • 3º Lugar no Rali da Suécia em 1992 (Blomqvist/Melander)

Subaru Impreza GT Turbo (1993-2000)

Quatro cilindros opostos, turbo IHI, 211 cavalos e tração nas quatro rodas: isso não é trivial, em 1993, sob o capô de uma pequena família (sedan ou station wagon). Discreto com seus apêndices de grandes dimensões, mas tremendamente eficiente, o Impreza GT Turbo edificou  a reputação da Subaru na Europa, com três títulos mundiais de rali consecutivos. A potência atingiu 217 cavalos em 1998 e foi acompanhada por desenvolvimentos técnicos e estéticos.

Participações em Ralis

  • 3 títulos de fabricante no Campeonato Mundial de Rally entre 1995 e 97
  • 1 título de piloto no Campeonato Mundial de Rally em 1995
  • 30 vitórias no Campeonato Mundial de Rali entre 1993 e 2000

Toyota Celica GT-Four (1987-95)

O Celica correu carrocerias diferentes. Ele foi o primeiro que usou a carroceria do “T160” de quarta geração. O próximo, batizado de “T180”, cedeu à moda do biodesign, em voga no início da década de 1990. Turbo 4×4 de 16 válvulas e 204 cavalos (160 cavalos para o GT “base”). A série Carlos Sainz( Piloto de ralis espanhol), campeão em 1990 e 1992 e seu kit de carroceria chegam a atingir 208 cavalos. Sainz correu pela marca durante várias temporadas pela marca Toyota (1989–1992; 1998–1999).

Participações em Ralis

  • 2 títulos de fabricante no Campeonato Mundial de Rali em 1993 e 94
  • 4 títulos de pilotos no Campeonato Mundial de Rali em 1990, 92, 93 e 94
  • 29 vitórias no Campeonato Mundial de Rali entre 1989 e 1995

No Estande


Motul, parceiro do Salão Rétromobile 2022

Um parceiro fundamental no mercado de veículos históricos, a Motul, especialista em lubrificantes de alto desempenho e parceira oficial da exposição, esteve presente para receber colecionadores apaixonados em seu espaço dedicado este ano ao mundo dos jovens. Puderam obter consultoria especializada e informação sobre os produtos da marca, nomeadamente sobre os lubrificantes da séria clássica, cujas formulações são adaptadas às características específicas dos motores e caixas de velocidades dos veículos antigos.

Uma gama Clássica adaptada a veículos de colecionador

Por ocasião do lançamento dos novos lubrificantes Youngtimers CLASSIC EIGHTIES 10W-40 e CLASSIC NINETIES 10W-30, os visitantes tiveram a ocasião de conhecer o espaço Motul localizado no Pavilhão 7-3, stand F024, que ofereceu consultoria especializada, mas também toda a gama clássica que abrange veículos pré-guerra até (“Youngtimers”, modelos acima) com uma das ofertas mais amplas do mercado (óleo de motor, transmissão, caixa de velocidades, aditivos, manutenção automóvel), e finalmente um conjunto completo de vestuário “Motul Heritage” ( camisetas, moletons, bonés) apresentados pela primeira vez na França e apresentando os visuais e logotipos mais icônicos dos anos 50, 60 e 70. Abaixo uma limousine da marca francesa Berliet de 1933

Outras oportunidades:

O Retromobile 2022 foi também uma oportunidade para a Motul apresentar a sua nova série “Club Privilege Offer” para os clubes e seus membros, que poderão agora beneficiar, gratuitamente e sem compromisso, de apoio personalizado, bem como de várias vantagens exclusivas até a um desconto de 30% em uma seleção de produtos Motul. Os clubes podem se inscrever para ver as ofertas diretamente no site com as equipes Motul, mas também a qualquer momento no site motulclassic.com Abaixo um Peugeot 201 de 1930.

Finalmente, a Motul também apoiou  o Museu Nacional da Polícia na criação de uma exposição sem precedentes sobre o tema dos veículos da Polícia. Jovens e adultos poderão descobrir ou redescobrir os veículos mais emblemáticos desta instituição francesa. O Alpine A310 e o Matra Djet serão exibidos ao lado de muitos outros veículos. Estes virão das garagens do museu da Polícia Francesa (Gendarmerie Nationale) e serão expostos ao público pela primeira vez. Abaixo um Studebaker Commander V8 Deluxe Starlight Coupe da famosa corrida mexicana Carrera Panamericana. Veja a semelhança com o modelos Starlight e Starliner


Uma exposição única de belas máquinas graças ao Museu Nacional da Polícia Francesa (Gendarmerie Nationale)

O Museu Nacional da Polícia francesa é responsável pela conservação e preservação de uma frota de mais de 80 viaturas antigas da Polícia francesa , mantidas fora de visitação. Pela primeira vez, onze veículos foram expostos na exposição. Abaixo Simca Aronde, Peugeot 203

Uma coleção variada

Automóveis, motocicletas, blindados, caminhões, ônibus, helicópteros, barcos e até motos de neve são os veículos que compõem a memória mecânica do Museu Nacional da polícia. Atualizada pela chegada de equipamentos mais modernos, essas máquinas foram escolhidas pelo museu por suas particularidades: bom estado, potencial de quilometragem, versões raras ou protótipos. Muito variados, são representativos da evolução técnica e da adaptação dos meios às missões dos policiais. Acima as motocicletas BMW R 80-RT dos anos 90.

Abaixo a frota foi completada em 1960 pelas BMW R60/2 de 594 cm³, 30 cavalos capaz de atingir 150 km/h.

Abaixo na foto principal um Matra Jet 6 da Brigada Rápida de Intervenção (BRI). Haviam três veículos como este para intervir nas autoestradas. Depois foram substituídos pelos Alpine A-110, Citroën SM, DS e CX 2400 GTI.

Raramente acessível ao público em sua configuração global, a memória mecânica foi exibida excepcionalmente no Retromobile.

Foi a primeira vez que o Museu Nacional da Polícia exibiu tantos veículos da coleção. Em mais de 400 m² de exposição, onze modelos ficaram expostos por cinco dias para testemunho da diversidade do acervo

Abaixo o Alpine A-310. A partir de 1976 chegaram os modelos com motor V6.

Helicóptero Aluette

Este helicóptero foi usado principalmente pela Gendarmerie para missões de transporte de passageiros, transporte de cargas, para uso de intervenções médicas rápidas ou mesmo guinchar um helicóptero. Com sua cauda e lâminas removíveis, pode ser transportado em um trailer ou caminhão simples.

Gradualmente foram substituídos pelo Allouette III na década de 1970 e depois pelo AS-365F Dauphin na década de 1990, esses helicópteros continuaram a fornecer treinamento de pilotos e missões de apoio para o benefício do Centro de Testes do Mediterrâneo.

Moto-neve Yamaha ET 340 P

Primeiro Snowmobile a equipar as unidades de montanha da Gendarmerie, foi utilizado em particular para os Jogos Olímpicos de Albertville em 1992. Prático e rápido, poderia ser usado para o resgate de pessoas nas montanhas, permitindo transportar um passageiro ou rebocar esquiadores. Também foi equipado com um trenó e até um trailer para equipamentos.

O Renault Estafette

Na memória coletiva da França, é o veículo policial por excelência. Veículo de patrulha e ligação, atribuído a brigadas e esquadrões estava disponível em várias versões: furgão  para brigada e esquadrões móveis que podiam transportar oito policiais e seus equipamentos de escritório ou de observação; a versão de transporte de detentos com célula de malha; ou ainda uma viatura de rádio transmissão com equipamentos e bancada para as equipes encarregadas dos rádios ou das antenas fixas das brigadas.


Retromobile 2022 apresentou “A fabulosa saga GORDINI” em parceria com o Museu Nacional do Automóvel, a Coleção Schlumpf e o historiador Christian Huet.

Uma retrospectiva única de toda a produção do engenheiro Amédée Gordini de 1947 a 1971.

Abaixo um Renault 8 Gordini

Sinal de um grande destino, Amédée Gordini nasceu em 1899 em Bazzano, na Itália, ao mesmo tempo em que começava a extraordinária história do automóvel. O pequeno Amédée já tinha uma paixão pela mecânica, aos 11 anos deixou a escola, para estagiar numa pequena garagem na região de Bolonha. Rapidamente seu espírito inventivo foi percebido, o que lhe permitiu iniciar sua carreira como mecânico e conhecer grandes nomes do setor automotivo como Edoardo Weber ( Marca de Carburadores) e os irmãos Maserati, fundadores da empresa de carros esportivos de Bolonha, na Itália.

O Começo da Aventura

Após a Primeira Guerra Mundial, Gordini trabalhou em empresas excepcionais como Isotta-Fraschini, Bugatti e Hispano-Suiza. Em 1925, quando veio para a França, foi contratado pelo italiano Cattaneo, dono de uma concessionária Bugatti e Hispano-Suiza em Saint-Cloud, região de Paris. Pouco tempo depois e naturalizado francês, Amédée criou sua própria empresa em Suresnes, situada na região de Paris. Era o início da grande aventura de Gordini.

O ano de 1934 foi marcado pelo início de uma colaboração com Henri-Théodore Pigozzi, presidente da empresa Simca que construía automóveis da Fiat sob licença na França. O primeiro Simca Gordini a sair da oficina em 1937, era um dois lugares construído com base num chassis Simca Cinq que, com os seus 570 cm³, tinha um bom registro com: o Recorde Mundial de 48 horas no Autódromo de Montlhéry a uma velocidade média de 103 km/h e em 1938, nas 24 Horas de Le Mans com uma vitória na categoria onde Amédée Gordini foi apelidado de “O Feiticeiro/Bruxo”.

Já em 1939, o nome Gordini foi reconhecido pelos grandes nomes do automobilismo mundial. Amédée impôs sua presença como construtor em vários eventos, incluindo o que antecedeu o Grand Prix de l’A.C.F (Automóvel Clube da França) onde os pequenos carros azuis seguiram até os poderosos Maseratis.

Após a Segunda Guerra Mundial, durante a qual Gordini se mudou para o Boulevard Victor 69/71 no 15º bairro de Paris, em frente ao Parque de Exposições em Versalhes. Gordini, com apoio de seu patrocinador Simca (de 1946 a 1950) criou um novo monoposto inteiramente projetado por ele, que, com seu pequeno motor de 1100 cm³ de origem Simca, atingiu 170 km/h. Esta maravilha da mecânica permitiu-lhe vencer o Grand Prix de Nîmes, o Bol d’Or e o circuito de Reims. Em 1948 na Argentina, Gordini descobriu o talento de Juan-Manuel Fangio, um jovem piloto a quem deu sua primeira chance e que se tornaria pentacampeão mundial. Fangio, pilotando um monoposto Gordini, venceu o Grande Prêmio de Marselha em 1949, antes de participar das 24 Horas de Le Mans de 1950 com um Gordini berlinetta equipado com um compressor.

A partir do ano seguinte, sem patrocinador, Gordini continuou com seu escritório de design e seus 45 funcionários, para construir um Fórmula 1, Fórmula 2 e esporte-Protótipos que entraram nas competições contra as grandes equipes com, entre outras, as vitórias de Jean Behra em Reims e Pau à frente da Scuderia Ferrari. Apesar da sua determinação, Amédée Gordini já não tinha meios financeiros para ser competitivo, o que tentou compensar reutilizando o chassis e os motores de 4, 6 e 8 cilindros das épocas anteriores.

RENAULT e GORDINI

Em 1957, moral e financeiramente exausto, Amédée Gordini, depois de ter participado em mais de 600 provas, desistiu da competição e deixou de produzir carros de corrida, dos quais foram feitos apenas 33 chassis, de diferentes tipos. Felizmente, no ano anterior, a Régie Nationale Renault abriu-lhe as portas para lhe oferecer trabalho no desenvolvimento e criação de motores de competição. Esta colaboração duraria 17 anos, produzindo o Dauphine Gordini a partir de 1957, o ano de 1964 foi marcado pelo início da carreira do lendário R8 Gordini, depois a década de 1970 viu o sucesso do Alpine Gordini e finalmente em 1974 pelo Renault 12 Gordini que foi o último a ser enfeitiçado. Amédée Gordini teve a satisfação de conhecer, em 1978, o sucesso de um Alpine V6 nas 24 Horas de Le Mans. Ele havia trabalhado no projeto e arquitetura do motor V6 em 1970 onde seu nome estava gravado. Acima um Gordini Spider 1937 com motor Simca de 4 cilindros em linha e 750 cm³. Foi primeiro lugar nas 24 Horas de Le Mans em 1937 na categoria até 750 cm³. Também: 22 recordes Mundiais no circuito de Montlhéry.

Gordini 1939 Barquette Simca 8. Motor 4 cilindros. 1º nas 24 Horas de Le 1939, categoria 1100 cm³

Gordini  1953 37 S type 24 S. Motor 8 cilindros, freios a disco e participação  na Itália com o piloto Franco Bordoni.

Gordini  42 type 32 ano 1956 Fórmula Um. Motor 8 cilindros equipado com motor 8 cilindros e freios a disco

Renault Dauphine Gordini 1957 com motor preparado por Gordini

Renault 8 Gordini preparado por Gordini

Renault 12 Gordini com motor também preparado por Gordini


Retromobile 2022 e os carros da Empresa de Leilões Artcurial Motorcars

PARIS – A equipe Artcurial Motorcars voltou ao Retromobile e teve o prazer em receber todos os colecionadores e entusiastas. Durante esta edição de 2022, várias coleções estiveram em destaque, em particular as coleções Bandini e Lafourcade e ainda a coleção de Maître Etienne Léandri. Durante esta edição de 2022, uma venda excepcional de alta qualidade. Acima um Gordini Type 18S ano 1950 de Juan Manuel Fangio Châssis n°020S. A maioria dos modelos com preços entre 1.000.000 de Euros até 6.000.000 de Euros.

Os carros

Peugeot 908 HDI FAP LMP1 #07 ano 2011 vencedor das 6 Horas de Zhuhai em Macau com os pilotos (Bourdais/Davidson)

Foi em 2005 que a Peugeot anunciou a sua intenção de regressar às 24 Horas de Le Mans, com um motor diesel V12 turbo alimentado. Com o novo 908 apresentado para a temporada 2011, a Peugeot passava do V12 para o V8. Foi com este chassis 07 que Sébastien Bourdais e Anthony Davidson venceram as 6 Horas de Zhuhaï, Macau. A Peugeot terminou sua temporada de 2011 com um sexto sucesso em sete corridas. Não tinham ideia de que essa vitória seria a última desse épico protótipo e a última aparição de um 908 na competição.

Ford RS200

Hispano-Suiza H6B 1924

Coleção monegasca de Supercars de Maître Étienne Léandri

Mestra Etienne Léandri, “advogado de defesa” da Ordem dos Advogados de Mônaco e Conselheiro de Estado, sempre teve essa paixão pela marca Ferrari. Apelidado de “o advogado da Ferrari”, mantinha relações amistosas com Gabriel Cavallari e, quando saía um novo modelo exclusivo, automaticamente tinha prioridade para adquiri-lo. Ele preservou assim, ao longo das décadas, uma coleção excepcional de oito carros esportivos. Ele conseguiu a façanha de reunir de forma exaustiva os supercarros criados por Maranello por mais de trinta anos. Abaixo um F40 1989.

Ferrari F50 1996

Ferrari Enzo 2003

Ferrari LaFerrari 2013

As outras coleções

Entre as estrelas desta venda, há dois muito importantes: Um Porsche 907(acima) de fábrica e um Porsche 911 RSR 3.0L da coleção do cavalheiro piloto Ernst SCHUSTER e que estão em suas mãos há quase 40 anos. O Porsche 907 de 1968 é um dos 907 mais autênticos. O seu histórico é notável com três participações nas 24 Horas de Le Mans de 1970 a 1972 após um soberbo 4º lugar nos 1000 Quilômetros de Nürburgring (Alemanha) em 1968. Restaurado pelos melhores especialistas, é naturalmente elegível como um dos modelos mais belos histórico eventos.

Quanto ao 911 RSR 3.0L, também se destacou em grandes provas de resistência (24 Horas de Le Mans, 1000 km de Nürburgring, etc.), pilotado  ao longo do tempo por Neuhaus, Stommelen, Barth, Fitzpatrick, Hezemans para citar um alguns nomes famosos.

Aston Martin DB5 carroceria Touring (estimativa: 600 000 – 800 000 €)

Alfa Romeo Giulia TZ ano 1965 (estimativa : 1 200 000 – 1 400 000 €)

O Bugatti Type 57, réplica da carroceria “Aérolithe” é a réplica exata de um carro que se tornou lendário, um verdadeiro unicórnio do Automóvel: o Bugatti Type 57 Aérolithe foi inspirado no movimento Art Deco, sua carroceria feita em magnésio é muito vanguardista com suas bordas rebitadas prefigurava o Bugatti mais caro do mundo, o Atlantic.

Rolls-Royce Silver Cloud LWB de 1958 carroceria Henri Chapron Ex-Brigitte Bardot (estimativa : € 100.000 – 200.000)

Harley-Davidson ano 1990 Softail Heritage 1340 « Laura Eyes » do famoso músico francês Johnny Hallyday (estimativa : 50 000 – 250 000 €)

Bugatti 57 Torpédo 1935 “Paris-Nice”

O Retromobile é a maior e mais famosa exposição do mundo dedicado a carros antigos. A Venda Oficial que foi a organizada representa a melhor oportunidade para um colecionador vender o seu Automóvel ao preço máximo, num mercado muito dinâmico, como pudemos observar durante a nossas vendas” disse Matthieu Lamoure, Diretor Geral, Artcurial Automóveis. Foram mais de 170 carros e 30 motos de coleção.


Outros notáveis

Ford GT-40 MKI

O famoso Herbie Leia sobre o Fusca

Um Puma GT. Atrás um Siata Spring e um Fiat Nuova 500

Corvette Stingray da terceira geração

Mercedes-Benz SL 300 Asa de gaivota

Aston Martin DBS V8

Um Jaguar XK 150

Maserati 3500 GT

Um BMW geração E30. Já era mais rica em motores e carrocerias e foi fabricada entre 1982 e 1994.

Um Jeepster Overland

Autobianchi Bianchina Cabriolet

As miniaturas e compras

Abaixo um espetacular Napier Railton 1933. Artesanal

Para todas as idades

Um menino escolhendo

Manuais e livros

Uma homenagem a Steve McQueen


Os veículos preferidos da Presidência francesa em exposição no stand da DS Automóveis

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Retromobile-2022-3.jpg

Com os modelos da marca de luxo francesa Stellantis, é todo o romance da história da Quinta República é uma que desfila. Este ano, na feira Rétromobile, encontraremos os veículos que marcaram definitivamente a história francesa em termos de prestígio e inovação.

Um veículo presidencial

Folheando as páginas do álbum da Quinta República, descobrimos que os DS são os veículos preferidos da Presidência da República. Mas não só. Nas décadas de 1960 e 1970, os famosos DS 21 e 23 Pallas com motores de injeção eletrônica eram frequentemente aclamados pelos líderes empresariais. Ainda hoje, a DS continua a ocupar os papéis principais nas garagens do Palácio do Elysée. A fabricante acaba de entregar um DS7 Crossback blindado que foi ampliado em 200 mm nos bancos traseiros.

A expressão do prestígio

Do DS da década de 1960 ao mais recente DS9, uma certa ideia de prestígio era expressada. A elegância competia com o conforto. No estande da DS Automobiles Adventure, um DS21 Ie e um DS 23 Ie com acabamento Pallas lembram-nos que foi dado um cuidado especial ao seu design. A bordo dessas rainhas da estrada, viajar tinha um sabor especial. O DS é também o símbolo do Grand Turismo francês.

O modelo da Ópera

Em 1972, Chapron, fabricante de carrocerias oficial da Citroën, decidiu usar as ferramentas dos landaulet1s SM feitos para o Elysée Palace e o cabriolet Mylord para desenvolver um SM de quatro portas. Este foi o modelo Opera apresentado no Salão Automóvel de Paris. Seu alto preço, o primeiro choque do petróleo e a aquisição da Citroën pela Peugeot estarão certos em sua carreira. Serão produzidos apenas oito exemplares.


Renault: 50 anos para o R5

Dez anos depois do 4L, a marca do Losango continua a acompanhar a evolução da sociedade com o lançamento do R5, um carro urbano elegante e versátil. O Retromobile 2022, seguiu a os passos deste modelo icônico, tanto pelo sucesso na França quanto pela reconhecimento  que trouxe ao fabricante no campo esportivo.

Um ícone do seu tempo

Quando surgiu no início de 1972, o Renault 5 trouxe o automóvel para a modernidade. Tendo como pano de fundo a música yé-yé, a moda das calças boca de sino e móveis de plástico, o carro urbano da antiga Régie ilumina as ruas com seus tons picantes: amarelo, laranja, verde maçã, azul bebê. Dez anos depois do R4, o fabricante de Boulogne, decididamente visionário, inventou um novo carro para viver. O R5 acompanhou as mudanças na sociedade marcadas pelo surgimento de uma classe média, a melhoria do padrão de vida, a emancipação das mulheres, o surgimento de novas cidades e o prolongamento das jornadas nas áreas urbanas

O novo carro urbano da marca do Losango é uma resposta relevante às necessidades de mobilidade decorrentes das mudanças sociais. Não substituindo nada que existia, o R5 revolucionou o cenário automotivo. Dotado de versatilidade, este sedã de 3,50 metros de estilo quadrado, hatchback de duas portas, presta-se a uma infinidade de usos. Os carros citadinos de hoje devem muito a ele: o R5 é tão confortável na cidade quanto na estrada. Rompe com os cânones da época, afirmando-se como uma bolha de frescura com os seus pára-choques de plástico e o tablier coberto com estofamento de skai preto. O teto solar de vinil preto, as grandes portas sem maçanetas e os bancos revestidos com vinil laranja completam o retrato de um citadino decididamente desinibido. A Renault ainda não sabe, mas este modelo popular chegava no momento certo para enfrentar os anos de crise.

A ex-Régie Renault não procurou inovar no campo técnico, mas transpôs muitas soluções comprovadas em modelos anteriores com tração, seja o R4, o R16 ou o R6. Em torno de um corpo autoportante, a caixa de câmbio é colocada em balanço para frente na frente do motor instalado em posição longitudinal e invadindo o compartimento de passageiros. A mecânica vem do banco de órgãos do fabricante. O R5 L, a versão de entrada, empresta o motor de 4 cilindros de 782cc do R4. Ele entrega 34 cv a 5.200 rpm e impulsiona o veículo a 120 km/h. Derivado do R8, os 956 cm3 de 43 cv impulsionam o R5 TL a 135 km/h.

Bem recebido pela imprensa, o R5 superou todas as expectativas. Os clientes aprovam a versão TL. Este sucesso encorajou a Renault a subir de nível. Em breve haverá o LS com o 1,3 litro do R12 TS de 64 cv, o TS e depois o Alpine. O R5 ganha assim suas listras esportivas com o cabeçote de liga leve de 1,4 litro de 93 cv e a caixa de 5 velocidades do R16 TX. O R5 Alpine ultrapassa os 170 km/h.

O R5 é destemido disse Pierre Dreyfus, chefe do Régie, acredita que o R5 tem seu lugar na América do Norte em um momento em que a crise do petróleo está incentivando os motoristas a diminuir seu estilo de vida. Será “O Carro”. A iniciativa não será bem sucedida.

Em 1979, o R5, ainda na vanguarda, estava disponível na versão de 5 portas e oferecia um painel novo e mais opulento. No ano seguinte, o auge foi alcançado com o lançamento do espetacular R5 Turbo, reconhecível por sua carroceria mais musculosa.

Com a instalação do motor na posição central traseira, o R5 não é mais uma tração, mas uma propulsão. Desempenhando o papel de locomotiva da gama, este modelo multiplica as vitórias no rally. Ela ganhou assim o rali de Monte-Carlo de 1981 com a tripulação Ragnotti-Andrié. Com a evolução máxima do Maxi Turbo, a dupla estrela da Renault também venceu a Volta da Córsega de 1985.

Uma herdeiro digno: La Supercinq

Para fazer frente à crescente concorrência e, em particular, à chegada do Peugeot 205, a Renault substituiu o R5 pelo Supercinq em setembro de 1984. Com a contribuição do estilista Marcello Gandini e em torno do slogan “mais 5 que 5”, a fabricante desenvolveu um linha de veículos moderna, mais habitável e mais eficiente. A operação de sedução foi um sucesso: o novo citadino Losange tornou-se o modelo mais vendido em França. Em 1990, depois de dezoito anos de bons e leais serviços, a empresa Billancourt julgou que era hora do R5 desistir e dar lugar ao Clio. Mas ninguém esqueceu esse ícone dos anos 1970 e 1980.

Quando se trata de pensar em um descendente do Zoé, os designers esboçam formas que trazem o R5 de volta à vida. Em 2024, a Renault renascerá com um motor elétrico.

Leia a história dos 50 anos do Renault 5


22ª Passeio de inverno de Paris: um passeio pelas ruas de Paris para descobrir monumentos culturais e religiosos para veículos antigos.

Aconteceu no domingo, 9 de janeiro de 2022 a partir das 7h15 com saída no Castelo de Vincennes.

Por ocasião deste evento tão esperado, organizado por Vincennes en Anciennes, a cada ano é anunciado um tema para a Travessia de Paris, que homenageará lugares culturais e religiosos. Foram  700 veículos com mais de 30 anos (automóveis, motocicletas, ciclomotores, bicicletas, ônibus e tratores).

Muitos pontos culturais de Paris serão pontos de passagem na rota, como Notre-Dame, a Basílica do Sagrado Coração, a Catedral da Santíssima Trindade, a Grande Mesquita de Paris, o Museu do Louvre, o Instituto da França e até o muito animada Praça da Contrescarpe, perto da rua Mouffetard.


Grand Merci au Space Presse Rétromobile.

Montagem e tradução Francis Castaings

© Copyright – Site https://site.retroauto.com.br – Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução de conteúdo do site sem autorização seja de fotos ou textos.

Acesse o site Retroauto na versão anterior

Volte a página principal do site